Com aluguel em alta e juros em queda, compra de imóveis bate recorde

0

Enquanto o aluguel sobe, as taxas de juros para financiamentos imobiliários alcançam queda recorde. Os números, somado à necessidade de uma moradia melhor motivada pelo isolamento social, impulsionam a compra de imóveis.

Mais do que nunca, adquirir um imóvel próprio, mesmo através da concessão de crédito, tem sido muito mais vantajoso que viver de aluguel.

Leia também:

Itaú reduz taxa de juros e amplia crédito para 90% do valor do imóvel

Pandemia cria novas necessidades e valoriza mercado residencial

5 Motivos para comprar um imóvel na pandemia

Mercado imobiliário vende mais que antes da pandemia

Pesquisa do Secovi-SP (Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo) mostra que a venda de imóveis na cidade em agosto aumentou 35% em comparação ao mesmo mês de 2019. Foram comercializadas 6.350 unidades residenciais novas.

O mercado imobiliário está a todo vapor. Segundo dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), foram lançadas na cidade de São Paulo 8.039 unidades residenciais, volume 207,5% superior ao apurado em julho (2.614 unidades) e 26,4% acima do total de agosto do ano passado (6.358 unidades).

Confira os dados completos da pesquisa do Secovi.

Juros em baixa e financiamento imobiliário em alta

De acordo com a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito e Poupança), os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) atingiram R$ 11,7 bilhões em agosto de 2020, um crescimento de 74,7% comparativamente ao mesmo mês em 2019.

Foram financiados, em agosto de 2020, nas modalidades de aquisição e construção, 39,5 mil imóveis, resultado 7,3% superior ao de julho e 49,7% maior do que o apurado em agosto de 2019.

Confira os dados completos do levantamento da Abecip.

Aluguel sobe acima da inflação

Em contrapartida, o aluguel tem ficado cada vez mais caro. Segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), o IGP-M (Índice Geral de Preços-Mercado), utilizado como referência para a correção de valores de contratos de aluguéis, teve alta de 4,34% em setembro, acumulando alta de 14,4% no ano e de 17,94% em 12 meses, bem acima do índice de inflação.

Sobre o autor

Avatar

Desde 1964 construindo uma trajetória de qualidade e solidez.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: